domingo, 11 de abril de 2010


A FAMÍLIA E SUAS DIFICULDADES NO SÉUCLO XXI
Texto Bíblico Sl. 11:3
INTRODUÇÃO
I. DESAFIO DO CASAMENTO NO SÉCULO XXI
Quando falamos de família, estamos falando de uma sociedade filantrópica sem fins lucrativos; Será mesmo está à verdade? Quando partimos dos princípios bíblicos chegaremos à conclusão que sim.
O casamento sempre foi encarado pelos cristãos como ordenança divina, expressa pelo próprio Deus. “Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e será ambos uma carne” Gn. 2:24 Mas o que leva então pensar no casamento uma instituição falida?

1. Casamento sem aprovação divina
É comum nos dias que estamos vivendo ouvir falar sobre o teste drive “vamos experimentar para ver se vai dar certo”. O casamento já começa desmoronar antes mesmo de começar o alicerce. Esse tipo de experiência não possui base Bíblica, é essencialmente humana e diabólica. “Ora, o fim do mandamento é a caridade de um coração puro, e de uma boa consciência, e de uma fé não fingida” 1 Tm 1:5. O amor puro que procede do coração, não explora, não infama.
Muitos jovens estão se afastando da igreja para casar fora do padrão doutrinário (bons costumes) da mesma, alegando que a igreja não tem nada haver com os seus sentimentos, alegando que Deus nos deu o livre arbítrio. Concordamos que realmente Deus nos deu o livre arbítrio, mas não podemos esquecer que teremos que dar contar da nossa escolha. “O que é já foi; e o que há de ser também já foi; e Deus pede conta do que passou” Ec. 3:15. “Vejamos outro texto: Alegra-te, jovem, na tua mocidade, e alegre-se o teu coração nos dias da tua mocidade, e anda pelos caminhos do teu coração e pela vista dos teus olhos; sabe, porém, que por todas essas coisas te trará Deus a juízo” Ec. 11:9. Observamos que conforme os textos bíblicos acima, existe um padrão a ser seguido que não é definido no texto, é ai que entra os bons costumes que são regidos pela igreja. Esses padrões morais e éticos são para todas as igrejas do cristianismo (não apenas para os protestantes, como são chamados os evangélicos).
Paulo escrevendo a epistola à Timóteo Ele diz; “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina; persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem” 1 Tm 4:16.
Somos jovens, uma vez apenas na vida. Perder essa oportunidade, e perder de fazer o melhor na vida, seja essa vida espiritual ou humana. É na juventude que traçamos os projetos da vida e a elaboração o projeto que vamos seguir por toda percurso que temos que fazer até a velhice chegar. “Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos dos quais venhas a dizer: Não tenho neles contentamento”; Ec. 12:1.
Mas a onde está inserida a família nesse contexto todo? Evidente que a família é sonho de todos os jovens. Todo homem quer ser pai, e toda mulher quer ser mãe. Porém, os princípios que estão sendo adotado para a família no século XXI vão aquém das recomendações acima. Dizer que a família fica longe dos bons costumes, é uma errata. A família preceder as organizações, a igreja e o estado, mas não precede as ordenanças divinas. O casamento foi planejado na pré-ciência de Deus para homens e mulheres viverem felizes e comungarem mutuamente. Completarem um aos outro pelo afeto, amor e carinho.



2. A infidelidade
A infidelidade conjugal está se tornando comum em nossos dias. Já se aceita como rotineiro, e até se pergunta quem nunca traiu. Os terapeutas familiares estão preocupados com a situação da infidelidade conjugal.
A chamada família nuclear com casamento e contrato tão respeitado nos séculos passados, vivem com problemas, ou em vias de separação que necessitam de ajudas de profissionais especializados no assunto. Gabinetes pastorais em algumas igrejas estão se transformando em verdadeiros consultórios psicológicos para atender os casais, e o pior de tudo é que muitas vezes não encontram respostas para suas indagações, dado a falta de preparo de tais ministros.
a. O que dizem os jovens a cerca disso tudo
No ano de 2000, quarenta e sete por cento dos jovens não aprovavam o casamento, mas crescia a opção por morar junto assustadoramente que chegou a numero em cada três casais, apenas dois tem compromissos legais firmados tanto civis como religioso.
No Brasil, na década de 50, eram cinqüenta mil pessoas morando juntas. Na década 60, esses numeram pulou para quatrocentas mil pessoas, chegando à década de 80 com assustador numero de Dois Milhões que moram juntas sem compromissos legais.
b. Falta de confiança nas pessoas
A falta de confiança tem sido o maior obstáculo para os jovens encontrar a pessoa Certa para compromisso duradouro, o que se caracteriza a opção por morar junto. Porém, isso traz algumas conseqüências inevitáveis conforme os terapeutas.
1. Viver sozinho traz solidão.
2. Viver sozinho traz medo.
3. Viver sozinho traz insegurança
Essas são algumas causas mais freqüentes para uma vida a sós.


c. Companheirismo eventual
Ele não preenche o vazio que só o matrimônio faz. O homem e a mulher
precisa de Companheirismo que lhe de confiança, segurança e instabilidade,
tanto na vida emocional, profissional e religioso. Fora disso, a vida conjugal.
fica como um barquinho sem leme a derivar no mar da vida, sem saber a onde.
chegar.

3. A Sindiásmica
A família sidiásmica, e aquela que tem a esposa (o) favorita (o) com convivência com outra parceira (o) ao mesmo tempo, ou seja, com adultério arbitrariamente reconhecido por ambos, parecendo que tudo está bem, mas por traz disso há culpa, repugnação não reconhecida pelo próprio individuo. Precisamos ter cuidado para não misturar as coisas. O casamento é monogâmico e a família é uma só, desde as menores até as maiores clãs. Porém, a sociedade moderna desnutrida de sentimentos espirituais não está atenta a isso.
O casamento não é apenas um consorcio, e nem a família apenas um agregado de pessoas, seja ela nuclear ou externa, mas, uma união de marido e esposa comprometida com a prole.










2. MUDANÇA DO PAPEL DA MULHER NA SOCIEDADE MODERNA

1. O que isso afetou:
É tarefa urgente de família tornar-se consciente da realidade da mudança do papel da mulher.
O inicio do grande mudança no papel feminino, ocorreu ainda no século passado (século XX), e se deve a dois eventos básicos:
a. Direito político de voto
Em 1920 no EUA, a mulher ganhou o direito de votar e ser votada.
Em 1932, foi a vez de Brasil conceder também esse direito a mulher.
b. O direito e decisão de procriação
A mulher toma consciência que é dona de seu corpo, e não apenas um objeto.
de prazer o homem.
Com a descoberta das pílulas anticoncepcionais, o papel da mulher submissa e procriadora foi modificado no casamento. As idéias velhas foram renovadas. Com essa mudança do papel da mulher, a família começa a perder parte de sua estrutura.
Assim nos resta perguntar: o que a mulher está esperando do homem, e o que o
homem está esperando da mulher? Essa inversão de valores, não parece, mas
mudou o conceito de família.
A educação dos filhos poderá ser afetada com essas mudanças, se o casal não souber administrar bem essa situação.
É dentro do Lar (família) que os filhos terão suas primeiras bases estruturais e suas responsabilidades construídas e valores éticos e morais como futuros homens e mulheres. Se fracassar nesse ponto, será difícil construir o futuro. “Se a base está destruída, que poderá fazer o Justo?” Sl. 11:3.
Já que a sociedade e instituições educativas não estão preocupadas com esse tema, é preciso nós, famílias constituídas preocuparmos. Aqui, o que deve ficar bem claro e que pais e mães são os educadores e formadores básicos do contingente humano que se renova a cada geração. “Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele”. Pv. 22:6.
c. Quanto ao homem
A mudança do papel da mulher também modificou o papel do homem.
O homem passou a ser competidor do sexo feminino. A figura do homem marido passou a ter menos importância para a mulher, porque ela conquistou em parte a sua independência, o que abriu caminho para certas atitudes perigosas que veremos logo mais. Em nenhum ponto queremos defender o machismo, mas somente apresentarmos o padrão bíblico para o homem e para mulher do século vinte e um.

2. Mudança no papel sexual
As meninas estão sendo precocemente preparadas para aspirarem profissões que
possam torná-las independente economicamente e em todos os aspectos da vida.
Há uma despreocupação pedagógica, que da família, que da escola, para desenvolve habilidades que são úteis na vida familiar, o campo em que, ainda, é a mulher que terá que se dar integralmente. Por quê? Porque os filhos pequenos necessitam e não está havendo educação coerente para o papel de ser mãe.
Temos percebido que a fusão da mulher e do homem dentro e fora do lar está muito confusa. Há mais competição desenfreada do que harmonia de trabalho cooperativo.
O estereótipo do marido do marido cansando que chega em CANASADO está contaminando a mulher que trabalha fora. No entanto, casa e filhos estão lá para serem cuidados.
Com a mudança do papel sexual, a mulher precisa solicitar auxilio de estranho para cuidar dos filhos. Assim aquela intimidade de mãe no crescimento dos filhos vai se perdendo á medida que os filhos vão ficando adultos, criando distanciamento no papel da maternidade que só a mãe pode dar.
Os filhos que estão chegando ao século XXI, estão sendo educados por babas eletrônicas (televisão).
Quando esses são colocados em creches, crescem como filhos que só tem o lar com dormitórios.
Assim, as crianças são colocadas precocemente na escola, e aprende de certas agressividades, diferente da conduta que deveria ser ensinada em casa. A menina tanto quanto o menino, antes de ter papeis familiares definidos e organizados, passam a confrontar o que a mãe diz ou pede, com o que a tia (professora) dize ou pede, com o que a amiguinha também faz.
A sexualidade feminina passou a ser mais machista, do que mesmo ocupar e desenvolver o seu papel de mulher, mãe e esposa.
A mulher precisa ter qualidade, das quais, depende a felicidade do lar.
















3. AUTORIDADE DO MARIDO COMPROMETIDA

1. Marido a cabeça.

“porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é”.
a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo”. Ef. 5:23.

Quando falamos do marido cabeça, logo passa pela mente das mulheres, um machista cheio de autoridade e mandão, e o marido estufa o peito, e cheio de orgulho compromete a submissão da mulher a si como líder da família.
Lançaremos mão de recurso psicológico para melhor esclarecer o assunto tão polemico para os casais do Século XXI.
a. O Casamento normal.
É a união amorosa, inclusive sexual, que permite adaptações contínua nos mais diversos graus, estabelecendo interesse e concessões mútua ao longo da vida de um casal conjugal. Essas adaptações jamais poderão ser iguais fora do casamento. No casamento normal, essas concessões não significam humilhação perda de poder ou ameaças para os cônjuges. Na sociedade, fora do casamento, essas concessões são impossíveis porque o individuo poderia ser pisado ou ameaçado de destruição. No plano individual, vamos citar uma definição de Freud: “A pessoa normal é aquela capaz de amar e trabalhar juntas”. Assim. Concluímos que, o marido cabeça, não significa subjugar a mulher à obediência escrava, cega e absoluta, sem reconhecer os seus direitos, necessidades e limites.
b. Casamento neurótico.
Nesse tipo de casamento, partindo de certas interpretações concluímos que, é aquele casamento onde a concessão mutua são inibidas, impedidas e até mesma bloqueadas por simples razões pessoas ou sociais, ou talvez por influencias familiares. Aqui, a submissão de um ao outro, ou da mulher ao marido são destruídas por certas influencias ao longo da existência conjugal.
Do outro lado, temos o casal Conjugal, que é uma estrutura que resulta do “equilíbrio de forças de coesão e dissociação”. Essa evolução de equilíbrio de forças, que se processa em função do tempo, é que constitui a dinâmica do casamento e seu ajustamento em nível normal. É interessante notar que o estado neurótico de certo casamentos, nem sempre impe a duração do mesmo. Talvez seja a causa da existência. É claro que isso não fica bem para as famílias cristãs, mas é um meio de explicar por que alguém em meio a tantas atrocidades em determinados lares, ainda continua juntas. Como se diz o provérbio popular, “marido e mulher, são os únicos inimigos que dormem juntos”. Assim, entendemos melhor essa situação.

c. Entendendo o casamento conjugal.
Ao falar em casal, estamos falando de uma entidade concreta e não abstrata, mas uma espécie de sociedade homogenia.
É esse casal que estabelece uma estrutura que contem vínculos, sendo esse vínculo mais que um elemento conector, ele se passa e se estrutura dentro do espírito de cada um dos cônjuges. Para que isso aconteça, é necessário que exista um acordo entre os dois “Eu”, para que permita organizar um Espaço-Temporal, isto é, vida comum cotidiana, um projeto futuro, uma tendência monogâmica e relações sexuais consentidas, cria assim, o compartilhamento conjugal, que resulta em uma transformação profunda, conhecido em psicologia como objeto-casal de cada um em objeto-casal-compartilhado. Cada casal é único com sua dinâmica própria. O compartilhamento é fruto inicial da fascinação da ilusão amorosa que se desenvolve durante o período de namoro e noivado e que irá se transformando ao longo do convívio íntimo em fascinação do vinculo por ele mesmo, criando o compartilhamento.
Todo ajustamento deverá ser feito por ambos os cônjuges, às vezes difíceis e mesmo dolorosa, mas necessariamente esperado.
De tudo que até aqui falamos, tentamos explicar o que significa ser o marido cabeça. Em todos os aspectos do casamento, a família é constituída sobre uma única base: amor mútuo e consentimento coeso. Fora desse padrão, a submissão da mulher do Século XXI, torna quase impossível.
Eis algumas forças de coesão, tanto externa com interna, que torna a submissão agradável.
1. Atração poderosa entre os sexos, que é biológico.
2. Amor: uma necessidade humana fundamento e vital, que é psicológico.
3. Fidelidade
4. Sinceridade e transparência
5. Lucidez (clareza, brilho).
6. Sentimento de responsabilidade.
Quando esses fatores não existem no casamento, não poderá haver submissão.
Para a solidez e duração da união conjugal, tão necessário no Século XXI, o caminho amizade-amor, é mais seguro. Amizade-amor, é um sentimento agradável, não cria temor. A interpretação psicológica cria gostos comuns, afinidades em diversos planos, centro de interesse e terreno de entendimento comum, tornando possível encontrar-se “fora da cama”. Assim entendemos que, a interpretação física e psicológica é necessária para a união duradoura. Ninguém se basta a si mesmo, “a dois” se reforçam e criam um espaço interno comum, que determina a compreensão um do outro. Valorizar-se é elemento necessário para melhor desenvolver a amizade, lastro que permite suportar, a dois as dificuldades da vida matrimonial e da vida em geral, criando assim, a submissão mutua sem constrangimento e constrangimento.
A luz da bíblia sagrada cabe ao marido ser amante, e a esposa ser amada. Se quereres, a submissão da esposa, antão ame-a primeiro, de afeto e carinho. Amizades e companheirismo e colherá submissão voluntária, entrega sem resolução.

2. Disciplina financeira
A conquista de independência da mulher afetou a disciplina financeira do casal. Antes, aquela esposa que administrava as finanças do esposo no cotidiano do lar, agora ela passa administrar as suas próprias finanças. Quando isso ocorre com transparência, aberturas e honestidade transformam em benção, mas nem sempre isso acontece.
Os casais devem evitar pressionar individualmente um ao outro insistindo em aquisição desnecessário que levarão ao sofrimento. A Bíblia afirma que nem tido consiste em abundancia de bens (Lc 2.15).
O Século XXI está marcado pelo consumismo. A propaganda enganosa, as ofertas tentadoras e a facilitação de crédito têm levado muitas famílias à falência. Pessoas obcecadas por marca e etiquetas, quando o produto é os mesmo nas lojas comum.
O marido acaba perdendo o controle sobre o lar, quando as finanças são mal administradas, influenciando assim ate mesmo os eu comportamento, levando-o a estresses comprometendo a produtividade pessoal em todas as áreas d sua vida.
Quando isso acontece, quase sempre o esposo aba por assumir liderança que caberia muito bem a esposa, criando desta forma certas incompatibilidades no lar que pode levar as desavenças irreparáveis.
E. O marido e o exercício da comunicação.
A comunicação que parte do esposo é fundamental para o relacionamento compartilhado e conjugado, começando pelo evento do dia a dia.

“Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade”.
Rm. 12:13
Por mais que lutamos por paz, sempre teremos tempo de conflitos e lutas, perseguições, e diante de tudo isso podem se cambalear e até cair. É nesse momento que precisamos um do outros e a comunicação se torna importante.
Como já déssemos à lucidez a confiança e transparecia se fará necessário para o bom entendimento do casal.
O perdão é a peça fundamental para o casamento feliz. Onde não há espaço para o perdão, dificilmente haverá casamento duradouro.
O Século XXI está marcado pela correia. Faz-se viagem à longa distancia em poucos minutos. O tempo é o elemento mais importante na economia do mundo, mas tem sido uma desgraça na família. O pai não tem mais tempo para os filhos, ou vice versa, e quando surge o problema quase sempre pai e mãe não estão juntos para conversar.
A conservação de um bom casamento, entretanto, requer uma discussão razoável e de mente aberta sobre a indiferença, e disposição para ser o menor importante e o de menor razão. A concessão em amor e o caminho para a solução de conflitos.
Através da comunicação inteligente e do respeito pelas convicções e sentimento da outra pessoa, o problema pode ser livremente discutido e resolvido, se é que havia um.
Nós homens, devemos reconhecer a igualdade da mulher, não só em sua criação, mas também em sua responsabilidade em obedecer a Deus. Ambos, homem e mulher, têm a mesma responsabilidade de fazer a vontade do Senhor, e ambos sofreram as conseqüências de seu julgamento pela falha em razão de fazê-lo.
Nunca esqueça que ao homem foi dada a posição central, a posição de suportar. Dele era e é a responsabilidade de suprir as necessidades. A mulher é companheira auxiliar, e juntos devem honrar a Deus o nosso senhor, sem grau de superioridade, mas sim, de respeito mútuo e consentimentos de ambas as partes.
Todo casal, poderá ter um espaço em seu dia para realizar a tarefa de comunicar, mas infelizmente muitos têm sido os obstáculos para impedir que junto façamos até mesmo uma oração. Temos mais tempo para ficamos na frente do aparelho de televisão, do que passarmos juntos uma hora na mesa. A família do Século XXI está marca pela falta de tempo, ou, alias tempo mal administrado. A Bíblia, o livro sagrado do cristianismo nos ensina a remir o tempo:
“Remindo o tempo, porquanto os dias são maus”.
Ef 5:16
Cabe a cada um na plena velocidade desta vida, organizar a agenda, fazer compromisso. Mas nunca esquecer que a família tem primazia ocupando o lugar de destaque em todo o tempo.

4. JUVENTUDE E ADOLESCENTE DO SÚCULO XXI
1. Geração decadente.
Estamos vivendo o sodomismo sem limite. Os dias de Sodoma e Gomorra estão caindo sobre nós. A expressão Bíblia para isso muito pesado para os ouvidos daqueles que não temem a Deus. O seu juízo é iminente, é o rigor muito maior.
“Porém eu vos digo que haverá menos rigor para os de Sodoma”,
“No Dia do Juízo, do que para ti”.
Mateus 11:24
O governo do México, na década de 80, expulsou uma companhia teatral estrangeira, cancelou assim uma exibição imoral intitulada Hair, na qual os atores apareciam totalmente nus, homens e mulheres junto.
Vivemos atualmente em uma cultura obcecada pelo sexo. As empresas de publicidade aproveitam essa força para atrair o publico e vender os seus produtos. As propagandas e os painéis de ruas insinuam. Não é preciso ir a uma casa de prostituição para ver o sexo explicito sem puder e castidade. Basta ligar a televisão ou entramos em algum site da internet. Centenas de paginas serão abertas. Com simples cadastro e uma senha, o mundo do sexo estará a sua frente. Assim, ocorre o endurecimento do coração do jovem, a perca da virtude e da sensibilidade moral. O caminho do jovem vai cada dia mais ficando corrompido. Diante de tamanha e alastra calamidade, a bíblia foi colocada na estante e esquecida para ser empoeirada. No entanto veja a recomendação:
“Como purificará o jovem o seu caminho”? Observando-o
“conforme a tua palavra”. Sl. 119:9

Essa geração em decadência, traz em si um único resultado; falta de temor. Os jovens perderam o temor do Senhor. Rui Barboza escreveu “O homem ri da honra e tem vergonha de ser honesto” ser virgem hoje é vergonhoso, mas falar abertamente da sua perca é aceitavelmente correto. A falta de temor conduz a tolice;
“O temor do senhor é o principio do saber”. Pv. 1:7
O mundo atual sorri com “tolerância” de nossas convicções cristãs. É um fato inegável que nós, cristão, somos responsáveis, perante nossa geração e especialmente perante os jovens. É indispensável que nós tomemos a iniciativa de muda o curso dessa história no Século XXI.

2. A pornografia liberada ao alcance de todos.
Se paga mais barato por uma revista pornográfica, do que mesmo por uma revista da Escola Dominical, enquanto tais revistas bíblicas poderiam ser doadas em nossas igrejas e até mesmo em lugares publico como fazem algumas seitas. Infelizmente essa é a grande verdade “estamos de olho fechado”. Que Deus tenha misericórdia da igreja do Século XXI.
No teatro e no cinema, as revistas as melodias, tudo parece fazer parte de uma conspiração, por traz da qual está Satanás, o ladrão da virtude da raça humana. Estão publicando matéria sugestiva ao alcance de todas as idades e faixa econômica. Há até firma que exploram a curiosidade das crianças, enviando pelo correio fotos obscenas.
3. A mente jovem do Século XXI
Nós sabemos que tudo começa na mente. Tudo que vemos passa pela mente. Nada escapa da lente poderosa dos olhos, que então conduz a mente e depois desce ao coração. Todo pecado começa na mente. Satanás não poder colar nada em nossa mente, mas pode influenciá-la através da imagem. A mente pode envaidecer-se e endurecer o coração.
E os filhos são de semblante duro e obstinados de coração; eu.
Envio-te a eles, e lhes dirás: Assim diz o Senhor JEOVÁ.
Ezequiel 2:4
No tempo de Ezequiel já conhecia esse coração. Como será o coração dos homens atual?
Nas escolas e universidades, as funções de conhecimentos e criatividades da mente são desenvolvidas cada com mais velocidade; mas sua função moral ficou paralisada. Essa é a calamidade do Século XXI. Deus disse:
Sobre tudo que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida. Pv. 4:23
4. Adultero, sexo e droga – A Fantasia do Século.
Em todos os tempos o adultério, o sexo e a droga tiveram primazia na vida da juventude, mas não tão liberada e incentivada como nos dias atuais. Os preservativos, as seringues para cocaína e cachimbo para usar o craque, são distribuídos gratuitamente nas ruas de nossas cidades por ocasião de carnaval, dizendo que isso é educativo e preventivo. Eu digo, é a educação para a morte, e a prevenção que abre as portas do reino infernal. Todas as classes sociais estão contaminadas por esses argente do inferno que sem o menor senso de responsabilidade denigre os valores morais da sociedade.
O adultero estás alastrado com mentira nas novelas que são expostas aos filhos por meio da televisão, fazendo assim que a deslealdade e a infidelidade se tornem normal dentro do casamento conforme já falamos capítulo anterior da “Sindiásmica”.
O uso da droga no meio estudantil demonstra a decadência moral de nossa geração.
Ela é aceita passivelmente, sem levar em conta a sua causa e miséria no futuro. O único remédio para essa corrupção é Jesus. Mas quem irá? Estamos mais preocupados em encher púlpitos do que na evangelização desses. Milhões no mundo estão correndo da religião para os psicólogos, e daí para a psiquiatria. A Igreja não está equipada desses profissionais, mas deveria sim estar equipada com sábios conselheiros e mestres amorosos, e não de neófitos que foram empurrados para o ministério por amizades e coleguismos, ou por aposentados para não serem onerosos ao cofre da igreja.
5. Perversão na atualidade
Os grandes e gigantes impérios como os egípcios babilônios e romanos vieram ao chão, desmoronaram por causa de perversão moral. A bíblia nos mostra que o juízo de Deus esta reservado para o pervertido como para quem imprudentemente o desculpa sem que exija arrependimento e conversão. Paulo escrevendo aos irmãos romanos afirma:
“Ora, conhecendo ele a sentença de Deus, de que são passiveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as que fazem, mas também aprova os que assim procedem”. Rm 1:32
Isso em nada surpreende o Deus, porque Paulo a dois mil anos já advertia seu amigo jovem Timóteo:
“Sabe, porém, que nos últimos dias sobrevirão dias difíceis, pois os homens serão egoísta, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si mesmo, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, antes amigos dos prazeres que amigo de Deus” 2 Tm 3:-4.
A família do Século XXI está fadada ao fracasso se não despertamos a tempo. Igreja em um todo deve se preocupar mais com as famílias, fazer mais encontros, buscar mais orientações para nossos membros, dispor de departamentos para aconselhamentos em geral, porque muitos estão buscando solução em chafariz contaminado e fontes não seguras.
CONCLUSÃO
Ao encerrar este pequeno estudo, estou convicto que Deus nos fará entender melhor as necessidades de nossas famílias na igreja. Sim a família do Século XXI que passa por turbulência sem piloto no comando dessa importante aeronave chamas “família”. Somos os orientadores que Deus quer usar. Façamos como Isaias “Eis me aqui, envia-me a mim”.
Amem
Pb. Jaime Bergamim

Para a Jornada de Estudo
Campo Ministerial de Campina Grande do Sul - Pr

Prfessores Convidados:

Pastor e Dr. Edgar Leite
Pastor Lauro
Pator Adilson
Pb. Jaime Bergamim
Pb. Valdomiro Moreira
Dc. Gesil Alvim

A FAMÍLIA EM TODOS OS TEMPOS


Texto Bíblico Gn. 2.2.24Sl. 128.4-6INTRODUÇÃO A família é muito mais amplo do que aquilo que conhecemos. A família atual não é diferente da do Antigo testamento, mudando apenas em alguns aspectos.A influência do contexto cultural, as vezes pode mudar alguns aspectos, mas nunca a sua finalidade. Neste estudo nós vamos estudar as família em quatro gerações; A geração passada, a geração presente incluindo a geração que está chegando e a geração que está passando.Nunca devemos esquecer que se há temas que nunca perdem atualidade, sem dúvida um deles é a família .Essa instituição chamada família, no fim do século XX sofreu profundas mudanças, alias, ela sempre sofreu profundas mudanças  e transformações ao longo de toda a história da humanidade, refletindo a nossa imagem de família.I – A FAMÍLA NA GERAÇÃO PASSADA1 – Os dois gêneros de texto completamente sobre a família, na geração       passado.a- Texto mítico (devoto ou religioso) para a geração passada Temos nestes texto, como por exemplo, Gn cp 01 e 02, tempo da narração da historia religiosa da criação e formação da primeira família.  No entanto no capitulo quatro de Gênesis, nós vemos o principio da constituição familiar, com a existência já do casal, e nascimento de de Caim e Abel. Esse tempo remonta a 4000 anos  que abrange a vida semi-nómoda,  tempo esse que não existia o estado, não existiu as organizações como  atual, ou mesmo algumas do tempo passado, onde a agricultura era sedentária ( sem muito êxito, lenta). Nesse período nós encontramos a família na  geração passada que dava o primeiro passo para as futuras famílias que em Hb é  mishpahah,  significando:  tribo,  clã ou povos,( ver Js 7.14-18)  dando assim o que chamamos hoje de famílias  organizadas. A família na geração passada era inteiramente patriarcal. O pai era o senhor absoluto, decidindo  até mesmo se o filho deveria viver ou não nos casos de desobediência, Lv 20.9 ;  Pv 20.20  e Ex21.15. Especialmente o Texto de Ex. 21.15 que Diz: O que ferir seu pai e sua mãe certamente morrerá. Todavia podemos aqui dizer com certeza que a família foi de suma importância na organização das  sociedades  do Antigo testamentob- Texto de legislação para a geração passada Os textos de legislação são os texto que tratam das Leis, o seja, propriamente dito os  Dez Mandamentos,  que prescrevem  determinados comportamentos em que deveria viver a família, uma vez que os Dez mandamentos foi dados como lei para regimento da nação. Embora que nem todo os Dez Mandamento se refere propriamente a família. Ao longo do tempo e em cada época alguns dos texto bíblico foi alterado ao que se considerava aceitável ou não, sendo que em cada época o povo de Israel encontrava maneira diferente de estruturar a família, não se trata de nós hoje de simplesmente copiarmos esses modelos, como se fosse eternamente válido para nossos dias. É interessante agora, procurarmos saber como em cada época e em cada modelo de família se procurava servir a fé em Deus, isso sim, é o bastante para conhecermos a verdadeira estrutura família na geração passada. O Seu modelo de fé, no obstante, deve ser o modelo para as demais famílias em todas as épocas, não desprezando as leis legislativa, tanto nos padrões bíblicos como nos padrões do Estado, uma vez que infringirmos uma lei estaremos cometendo pecado, desde que essa lei esteja dentro de um comportamento ético e moral ela é perfeitamente aceitável como regra e conduta de uma organização Estadual ou Federal. Como poderíamos afirma que a família é a base da sociedade se não vivermos em harmonias com as leis que a rege? Isso seria um absurdo.Condições que nos ajudam a entender a legislação No AT. Conceito de pai na legislação da família passada: A Palavra “Ab” é termo para estudo profundo, ele é usado para referir não semente ao pai, mas também ao avô  e aos antepassados notáveis, como por exemplo, Pai Abraão, filho  de Davi, raiz de Gesse.  O pai cumpria as obrigações sacerdotais. Religião  e a família estavam amarradas com as mesmas fibras da Lei de Deus e da Legislação. Como acontecia em outros grupos humanos ao redor, entre os hebreus o pai além de sacerdote, era aquele que vigiava as relações entre as pessoas de sua casa e Deus, Jó 1.5. Conceito da Fertilidade  A - Era considerada a essência da promessa divina ao povo de Deus, nesse caso o que dizia a lei que  legislava esse conceito? Se um homem casado morria  sem deixar filhos, seu irmão tinha a obrigação de casar com a viúva a fim de dar continuidade a descendência do irmão falecido, Dt. 25.5-10. Essa legislação obrigava a perpetuação da família e a memória do falecido  B – A mulher estéril podia dar sua escrava ao marido, para que essa desse filho ao marido, Gn. 30.1-13. Isso era perfeitamente aceitável dentro da legislação da família no passado, no entanto isso não se pactua como sendo uma lei divina, mas a legislação da época dava esse direito, o que era tolerado por Deus dentro da  cultura  da época. Outrossim, a esterilidade no conceito da família antiga, era considerado como maldição, por esse motivo, toda mulher desejava ser mãe, como nós vemos no caso de Ana conforme o registro de  Sm 1.1-8. Ainda em nossos dias a chegada de um filho é festejado por toda a família, principalmente quando é o primeiro filho do casal. O Lar sem filho é encarado com  que falta algo, e isso traz uma certa infelicidade para o casal, não quer dizer que o casal não é feliz, o que queremos dizer, é que o filho completa a felicidade do casal. O belo exemplo de Elcana,  quando disse a Ana:  I Sm. 1.8 “Não te sou eu melhor do que dez filhos?  Feliz é a esposa que por alguns motivos alheios a sua vontade, não pode ter filhos, mas que tem um esposo compreensivo, tal como Elcana. Em nosso tempo a esterilidade é encarado pelo povo cristão sem nenhum problema quanto a sua comunhão com Deus, o que no passado era diferente, mas a graça de Cristo nos remiu de toda maldição. Podemos ser feliz, mesmo com a madre cerrada. Porém, se você não se sente feliz dessa forma, e a medicina diz que não tem jeito, busque de Deus solução,  aconselhe com o seu pastor  quanto a outras alternativas, como por exemplo, adotar uma criança, o que não tão simples  como muitos pensam.   C – As crianças estavam inseridas na família como aliança de Deus com Israel. 1- O menino era circuncidado ao oitavo dia de vida2- As crianças eram instruídas na Lei pelo pai no cotidiano do lar, Dt. 6.4-93- As crianças participavam nas celebrações da páscoa, sem nenhum problema, bem com  as demais festividades religiosas4- A obediência era ponto primordial  aos pais e aos mestres5- A disciplina como base da hierarquia, era imposta pela vara e o castigo corporal para disciplinar a criança – Pv 13.24 e Pv 22.15.Observação: Queremos aqui fazer uma alerta quanto ao uso da vara. A palavra expressa como castigar em  PV 13.24, refere sim, como: advertir, admoestar, fazer sofre, aplicar castigo, dar castigo. Em outra versão encontramos a palavra fustigar  com a vara. A palavra fustigar, tem sentido de açoitar, castigar, maltratar, estimular e excitar, porém, o maior sentido para a correção da criança com amor e carinho quer dizer: Bater com algo flexível que não deixe hematomas ou machas,  isso é afugentar. D – A condição da mulher  na família passada A mulher tinha poucos privilégios ou quase nada, tanto em sociedade como em família 1 – A  solteira vivia sob a tutela do pai ou de um guardião  2 – Era tratada como prenda de valor, sendo comprada pelo seu futuro       esposo. 3 – Poderia ser vendida como escravas – Ex. 21.7 – Se alguém vender      Sua filha por serva, não sairá como saem os servos4 – Por normas só os filhos do sexo masculino poderia receber herança,       o filho mais velho tinha direito da maior porção.E – Acordo nupcial  No compromisso nupcial, o casal trocavam anéis ou braceletas, contrato esse firmado entre duas testemunhas- A moça era paga- Em troca o pai da noiva dava um dote, que poderia ser serventes, presentes ou dinheiro.Conceito gerais na família passada A pesar de ser uma família patriarcal, há texto bíblicos que mostra tanto o pai quanto a mãe em um mesmo plano;  Gn 1.26-27 -  na criação e perpetuação da raça,  Ex 20.12 – a  honra ao  pai e mãe, Jz. 5.7 –  “Até que me levantei por mãe em Israel”.A juíza que se levantou por mãe a Israel (Débora), Pv. 1.8 – Ouvi a doutrina do pai, e não deixar a correção da mãe, Pv. 6.20 – Ouvi o mandamento do pai e não deixar a lei da mãe.    No entanto meus amados, na família passada ouvem desvio da fé,  tanto quanto temos em nossos dias. Muitos profetas do Antigo Testamento levantaram  a voz para fazer o povo de Deus voltar a uma relação familiar bem sucedida, como parte integrante de seu compromisso  com Deus. A família passada, os seus bons exemplos devem ser seguidos pela  demais famílias em todas as gerações.II – A FAMÍLIA NA GERAÇÃO PRESENTE Junto com a família na geração presente, está incluído a geração que esta chegando. Na família da Geração passada,  poderíamos ter estudado as Seis característica da família hebraica, ou da família do Antigo Testamento, no entanto não vamos deixar passar por desapercebido, pois vamos considerar as vantagens dessas seis características na famílias presente, que é a família atual. Nós, ou eu em particular, creio que a família presente perdeu muitas das suas características, tanto espiritual quanto material, valendo observar que são valores  importantes foram perdendo ao longo dos tempos, mas que poderemos reavê-los, uma vez que os princípios bíblico não alteraram, e nem perderam o seu valor. No antigo testamento ou  geração passada, nós encontramos seis característica da família, que são: Uma família alargada (clã), uma família patriarcal, a família endógama, a família patrilinear,  a família patrilocal, e a família polígama. Todas essas família formavam a família patriarcal.1 -  A família alargada, ou clã Essa família trata-se de uma atividade econômica, que incluía escravos e assalariados, dessa família fazia parte dezenas e até centenas de pessoas que residiam numa ou vários aldeias. Entre os membros desta família praticava a solidariedade. Como incluir a família presente no quadro de  família alargada: Vejamos  como isso enquadra num princípio puramente cristão.a- A solidariedade deve ser a marca registrada de todos os salvos.Paulo escrevendo aos nossos irmão de Efésios 2.19 – “Assim que já não sois estrangeiros, mas concidadãos  santos e família de Deus”. Nesta família chamada família de Deus, o amor é o principio duradouro e conservador da família alargada, onde não pode haver discriminação, não pode haver desunião, onde a solidariedade,ou seja, compartilhar do sofrimento do irmão faz parte de  vida de cada um que compõe a família dos Santos,  e família de Deus. A família atual precisa compreender que a fonte principal de seu êxito está no amor que vive um para com os outros, baseado na união cristã que nos foi revelado na cruz pelo sangue de Cristo. O livro dos Salmos 133.1 “Hó quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união”,  e no Salmo 100.1, todos são convidados a louvar o Senhor. “Celebrai com jubilo ao Senhor, todos os moradores da terra”.  Nós dissemos no inicio desse capitulo, que a família atual perdeu alguns valores, mas que podemos reavê-los”:b- Vivam em uniãoViver em união é um valor que algumas famílias atuais perderam. Lares em desavenças, onde o pai não entende o filho, o marido não entende a esposa e a esposa não entende o filho. Parecem até que estão vivendo num inferninho debaixo de um teto chamado lar. Esse valor precisa ser resgatado a qualquer custo, pois a falta de união tem sido a causa de muitas desavenças na família que quase sempre termina com a  separação dos cônjuges.Com isso a família alargada  perde duas vezes: primeiro desfazendo a estrutura do lar, e segundo a estrutura da família de Deus composta por membros em todas tempos e lugares, línguas, povos, etnias e culturas. Não importa a cultura que essa família vive, o importante é que o amor, a união e a solidariedade estejam presente.c- Percas  materiais da família alargada,  nos tempos  atuais l Como observamos que essa família no Antigo testamento formava uma clã, tendo em vista a família patriarcal, onde o pai era absoluto. Nos dias que vivemos isso parece ser antiquadro, porque o pai perdeu essa autoridade sobre a família, onde o individualismo está imperando. Quase sempre o pai é o último a ser consultado, sendo ele o senhor do lar. O individualismo em que as pessoas formam para si, trouxe  falta de submissão ao senhor do lar, e esse o pai. O individualismo deve ser combatido com a palavra de Deus, conforme registrado em Dt. 4.10b – “......Ajunta me este povo, e os farei ouvir as minhas palavras, e apreendê-las-ão, para me temerem todos os dias que na terra viverem, e as ensinarão a seus filhos. Três princípios precisamos  observar aqui para acabarmos com o individualismo.1- Ajunta me este povoEsse ajuntamento trata sim de uma reunião onde todos estarão unidos, num só pensamento. Nesse ajuntamento haverá um propósito, é disso que a família  atual precisa. Reunião familiar, diálogo franco. Sem ajuntamento os princípios da família alargada perdiam  no tempo, pois toda as vezes que Israel distanciou do Senhor, os efeitos foram funestos.O pecado só será extirpado do meio da família quando houver ajuntamento da parte de Deus. Js. 7.16 – “Então, se levantou Josué de madrugada a fez chegar Israel (ajuntou) segundo as suas tribos ...”.Se alguma coisa esta errado em sua família, ajunta-os para uma reunião de oração, para uma palavra. Com certeza Acã estava disperso quando cometeu tamanho erro.2 – Ouvir as minhas palavras, e aprendê-lasDepois de ajuntado, o segundo passo é fazer ouvir a palavra de Deus. O pai de família o sacerdote do lar, deve ser instrutor do filhos e da família de um modo geral. O maior erro hoje é não termos tempo para ajuntar e fazer ouvir a palavra de Deus.3 – Para me temerem todos os diasO temor do Senhor é o princípio da sabedoria (ciência). Na casa de Deus, nós temos a família alargada que deve está reunida ou ajuntada, para ouvir, para temer a Deus. A Primeira família do cristianismo a receber o batismo com Espírito Santo está registrada em Atos 2.1 onde diz: “Estavam todos reunidos no mesmo lugar. Nós temos tempo para tudo, menos para reunirmos com a família. Quando não se reuni, não  há comunhão, se não há comunhão, não há ensinamento para temor. Deus está em busca de famílias temente.4 – As  ensinarão a seus filho. A Moisés coube reunir o povo e ensinar. Havia ali uma grande família, uma vez que estavam todas as tribos reunidas em marcha para Canaã, ali estava a família alargada com um mesmo objetivo; entrar em Canaã. Todo o período da caminhada no deserto, foi um período que Deus usou para moldar as famílias em  um novo padrão de vida, pois eles traziam consigo todos os costumes do Egito. Deus não podia fazer entrar na terra da promessa um povo misturado como estava Israel. A geração do presente versículo que estamos estudando, somente dois entraram na terra prometida; Josué e Calebe. Ouve um grande desvio do povo, ao ponto que Deus jurou que estes não entrariam na terra prometida,  preparando assim uma outra geração, e essa geração era a geração do tempo presente, e as que estavam chegando, uma vez que a geração que estava passando a quem Deus tinha tirado da terra do Egito, não foi digna de entrar na terra que manava leite e mel. Eis o grande perigo de não ajuntar o povo, fazer ouvir a palavra para que temam, e transmitam esses ensinamentos as futuras gerações.   A gerações do tempo presente que somos nós, precisamos preocupar com a família, que não chama apenas  família alargada,  mas sim, como pequenos grupos familiares que somos nós; pais e filhos que vivem debaixo de um mesmo teto, onde compartilhamos de um mesmo sentimento e de uma mesma esperança.2 – Família Patriarcal Ao estudarmos esse grupo familiar, não podemos confundir com a família alargada. Na família alargada temos uma clã  que gira em torno de até a quarta geração. No entanto a família Patriarcal, nós vemos o pai como senhor de toda a família alargada. Pelo sistema de familiar patriarcal, todos somos filhos de Abrão através da promessa, ainda somos filhos de Davi pela promessa da vinda do Messias cumprida em Cristo; “Cristo filho d Davi da raiz de Gesse”.  A igreja é composta dessas duas famílias e ainda da família  endógama que vamos estudar dentro deste capitulo. No livro do Gênesis a raiz da família patriarcal a qual podemos julgar que pertencemos por herança, Gn. 12.2 “ Far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome, e tu serás uma benção” V.3 “E abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão  benditas todas as famílias da terra Aqui aprendemos grandes verdades que vem de uma família patriarcal: A – Abençoarei os que te abençoarem O pai da família é o abençoador, porém essa benção requer participação de quem vai ser abençoado. Os requisitos que Deus deu a Abraão foi que, todos os que abençoassem a ele seriam abençoados. Eu posso traduzir  essa benção imputada a Abraão como sendo um respeito digno de honra ao patriarca. A igreja como família patriarcal, ela tem a quem temer;  O Patriarca por excelência,  chamado Jesus de Nazaré, nele serão benditas todas as famílias da presente geração3 – A família Endógama A família endógama se preocupa não se misturar com o mundo, e não dividir a herança com o mundo, ou seja: dá-se a preferência ao casamento de parentes consangüíneos, preservando desta forma a integridade do patrimônio. É interessante isso; preservar a integridade do patrimônio. O casamento com pessoas de outras famílias trariam conseqüências na separação da herança. Um casamento misto comprometia essa integridade (Inteireza moral, retidão, imparcialidade). Um belo exemplo encontramos  na vida de Isaque, quando Abraão mandou o Servo ir buscar a noiva para Isaque, Gn. 24 vejamos alguns requisitos:a- V.4 – Mas que ira a minha terra e a minha parentelab- V.4 – E daí tomaras mulher para meu filho.Agora vamos estudar o que Abraão preservava para as famílias futuras, diante da grande promessa que Deus tinha feito a ele, abrir mão para que Isaque contraísse núpcias com mulher que não fosse de sua parentela, era cair na falta de integridade com Deus. Olha o Exemplo que ele deixa Gn 24.7b ( .... e que me falou e que me jurou: À tua semente darei está terra....”. Queridos; Deus tem promessas grandes para a família que vive debaixo da graça de Deus, porem, consentir que o casamento seja feito foram da parentela cristã é comprometer a nossa integridade com Deus e dividir a herança com o mundo. Nesse particular a Bíblia fala do julgo desigual. Na família endógama, não admiti o casamento misto, pois alem da preservação do patrimônio que é a benção de Deus sobre a nossa vida, estaremos comprometendo a integridade de nossa fé para com aquele que cremos. Contudo, queremos alerta que  na família endógama antiga, era tolerado o casamento entre irmãos, porém em nosso tempo isso não é permitido. 4 – A Família patrilinear Nessa família o pai é quem determina (atribuição e domínio) do filho 5 – A família patrilocal Nessa família , todos residem na casa da família do homem. Ainda existe em algumas culturas e até mesmo em nosso pais, esse tipo de família. 6 – A família polígama Apesar das varias referencias Bíblicas de homens que tiveram mais que uma mulher no antigo testamento, em nosso tempo é terminantemente proibido. Pois a nossa lei só faz um casamento em papel, para que haja o segundo é necessário a separação de corpos, chamado de divorcio. Outrossim, é repugnante para a família cristã uma separação, e essa culminada com o divorcio.III – A FAMILIA E A GERAÇÃO QUE ESTÁ PASSANDO1 – A família da terceira idade Essa é a geração do exemplo, da dignidade, a geração conservadora dos bons costumes da igreja. Essa idade segundo a OMS – “Organização Mundial da Saúde”, começa entre os 60e 65  anos de idade; para os cientistas, ela começa aos 65 anos ; para outros  a aposentadoria  deve ser o referencial para determinar a terceira idade. Porém, para mim,  a terceira idade chega quando Sepultamos os nossos sonhos. É possível encontrar pessoas aos Cinqüenta anos, já vivendo a terceira idade. Pessoas que por razões diversas deixaram de lutar pela vida. O envelhecimento,  não é uma questão de idade cronológica, mas um estado de vida que determinamos viver. A vida é um presente de Deus. Viver ela é desfrutar de algo glorioso; contudo, sabemos que vamos morrer, uma vez que há uma sentença para homem desde a queda do Éden, conforme o registro Bíblico de Rm 6.23 “.. Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna”. Eu não podia deixar de comentar com muito respeito esse ponto de nosso estudo, principalmente o que vamos descrever agora: Tenho visitado algumas pessoas considerada geração que está passando, e fico alarmado com que vemos de certos abandono de pessoas idosos por irmãos de nossa igreja, parece impossível, mas existe em nosso meio pessoas que até se dizem obreiros, sentado no púlpito, e que vive uma vida digna e confortável, porem, os pais morram no fundo do terreno, em estado precário. Se fossemos analisarmos, o cachorro de estimação vive melhor do que seus pais.  Eu não estou escrevendo o que me contaram, mas sim o que vi no inicio dedes ano de 2005,  em um domingo que sai para fazer um certo trabalho. Não foi apenas um lar, mas vários. Há idosos filhos de membro de nossas igreja, que se for denunciado para a assistência social, ou outro órgão, poderá até pagar por isso muito caro. A Bíblia sagrada, livro dos livros, nos dado grandes lições, nos informando que os idosos devem ser trados com dignidade e respeito. O lha que expressão maravilhosa que Levíticos registra: Lv 19.32 “ Diante das cãs te levantarás, e honra a face do velho, e terás temor do teu Deus: eu sou o Senhor”. Sabe o que é isso cãs? A bíblia na linguagem de hoje traduz assim: “Fiquem de pé na presença de pessoas idosas e as tratem com todo respeito. Foi o próprio Deus que proferir está palavras, pois cabelo branco antes do uso da tinta, era considerado honroso e digno de respeito. uma verdadeira coroa: .Pv 16.31 “Coroa de honra são as cãs, achando se elas no caminho da Justiça”. Cãs Símbolo de beleza: Pv 20.29 “O ornato do jovem é a sua força; e a beleza dos velhos, as cãs”.2 – Essa é a geração que demonstra sabedoria A geração que está passando, é uma geração de entendimento e sabedoria. Negar isso é uma negligência; Jó 12.12 “ Com o idoso está a sabedoria, e na abundancia de dias, o entendimento”. Na acusação contra Jó, Eliú  teve medo de levantar e falar porque era o mais novo, vejamos: Jó 32.6 e 7 “ E respondeu Eliú, filho de Baraquel, o buzita,: Eu sou de menos idade, e vós sois idosos; arreceei-me e temi de vos declarar a minha opinião. Dizia eu: Falem os dias, e a multidão dos anos ensine a sabedoria”.  Não quero generalizar, mas a maior parte de nossa juventude, não respeita mais os idosos, mas os tratam com destém , como pessoa sem valor. O que seria de uma igreja composta somente de família jovens? Uma igreja onde todos os pastores fossem jovens, sem nenhuma experiência ministerial e familiar no cotidiano? Com certeza essa igreja seria uma falácia. Pois ainda que existe muitos pastores jovens, mas sempre atrás deste há um ancião. Quando Deus chamou Moisés para libertar Israel do Egito, ele não era um jovenzinho inexperiente, já tinha aprendido a lição com Deus, e muito menos Arão.  Moisés já contava Oitenta anos, e Arão Oitenta e três anos. Ex. 7.7. Moisés já tinha constituído família, conhecia o que era ter um lar, sabia o que era governar uma família. Muitas igrejas perdem suas estruturas doutrinarias e as vezes certos departamentos fracassam, por falta de família madura na liderança. Um jovem com dirigente da mocidade pode ter grande existo na organização, mas poderá fracassar quanto a autoridade de aconselhamento. 3 – Geração que está passando, é uma geração de destaque Segundo a Bíblia, os anciões sempre desempenhavam um papel de destaque. Biblicamente falando, o ancião é um homem velho, ou um idoso respeitável. Esses homens não eram descartáveis, ou desprezados, ao contrario,a bíblia  e a história destaca o papel importante que eles desempenhavam. No caminho do deserto, Moisés foi orientado por Deus  à escolher setenta anciões de Israel, para auxilia-lo, Nr. 11.16 “ Disse o Senhor a Moisés: Ajunta-me setenta anciões de Israel, de quem sabes que são anciões do povo e seus oficiais; e trarás perante a tenda da congregação, e ali se porão contigo”. Na igreja primitiva, lá estavam os anciões, conforme At. 14.23 “ E ,havendo-lhes por comum consentimento eleito anciãos em cada igreja, orando com jejum, os encomendaram ao Senhor em quem haviam cridos”. Com foi no Antigo Testamento e na igreja primitiva, assim devem ser recebidos, respeitados e considerados, todos aqueles que compõe a família que está passando, mandamento este deixado aos Ef. 6.1-3 “ Vós, filhos,  sede obediente vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra o teu pai e atua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa, para que te vá bem,e vivas muito tempo sobre a terra”.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

OS PERIGOS DO DESVIO ESPIRITUAL

Texto: Jr. 2.1-7, 12, 13

A apostasia do tempo de Jeremias, levou o povo a desviar dos caminhos do Senhor. Um desvio vergonhoso, ao ponto de um pedaço de madeira ser cultuado como um Deus.

A triste situação de um povo que Deus tirou com mãos fortes do Egito, colou na terra da promessa, protelou seu cativeiro por aproximadamente 120 anos, se levarmos em conta que Israel foi abatido em 722 a.C. e Judá em 587.

Escarneciam do Senhor como se Ele não existisse. Para curar o seu desviou vergonhoso, o Senhor Jeová os levou para o cativeiro pelo período de 70 anos, o famoso cativeiro babilônico.

I. Conhecendo o que é apostasia:


O termo apostasia tem origem grega, ou seja, afastamento ou abandono consciente de uma fé anteriormente defendida. No catolicismo romano, indica total deserção da fé, ou das santas ordens, ou do estado monástico. Em sentido menos amplo, a palavra é usada para indicar pessoas que deslizam para o descuido e o abandono no tocante a sua fé.
No sentido cristão, a apostasia é o desvio consciente que leva a morte espiritual.

No caso de Israel, a apostasia foi abandonar o único e verdadeiro Deus, e passou a amar a idolatria.

Jr. 2.2 o Senhor tem saudade do povo de Judá:

“Lembro me de ti, da beneficência da sua mocidade e do amor do teu desposório, quando andava após mim, numa terra que se não semeava”.

No versículo 3 diz:
1. Israel era Santidade
2. Eram as primícias de sua novidade
3. Os que ofendiam Israel eram devorados.

Veja o valor que Eles tinham para o Senhor. Era povo especial. Mas, no versículo 11 do mesmo capitulo 2, o Senhor reclama:

“Ouve alguma nação que trocasse seus desses, posto não seres deuses. Todavia, o meu povo trocou a sua gloria pelo que é de nenhum valor”

Deus chora através dos lábio de Jeremias: Veja Jr. 2.13 – Duas maldades
1. Deixaram o Senhor – Fonte ou manancial de águas vivas
2. Cavaram cisternas rotas que não retêm águas.


II. Um contra a apostasia:

Em meio a apostasia Deus levanta um arauto, sim um arauto chorão que chorou as mazelas pecaminosas do povo de Judá.

Sua missão era chamar o sacerdote a santidade, desencorajar os falsos profetas e alertar o provo do castigo eminente.

Através do profeta Jeremias, Deus estava dando uma chance ao povo para voltar aos marcos antigos.

Provérbios 22:28
Não removas os limites antigos que teus pais fixaram

Jeremias falava em nome do Senhor Deus, enquanto que os falso profetas pregavam suas próprias mensagens.

A nossa missão não é agradar o povo com falso discurso, mas expor com ousadia e integridade os conselhos Deus, para evitarmos a apostasia que ameaça a igreja do século XXI.

Jeremias, o apostolo Paulo do Antigo Testamento, como é considerado, fez o mesmo trabalho que Paulo fez no Novo Testamento quando combateu pecado que ameaçava e comprometia a fé do povo de Coríntios.

Nesses últimos dias Deus precisa levantar homens e mulheres comprometidos com a santidade da igreja, e não meros interesseiros que se corrompe com as iguarias do mundo moderno, onde o certo se tornou errado e o errado certo.

Rui Barbosa expressou em um de seus escritos a seguinte Frase:

“ O homem rei da honra e tem vergonha de ser honesto”

Pregam um evangelho módico, exíguo e desprovido de conteúdo doutrinários.

Jeremias não foi chamado para ser popular, mas para combater o pecado de reis, sacerdotes, homens cultos e iletrados. Assumiu sua posição como homem de Deus, sem se preocupar com a sua vida, o que ia ou não acontecer.

Jeremias foi chamado para anuncia a tragédia que a nação iria sofrer, caso não se arrependesse.

A nação achava que por ser israelitas, pertencerem a pacto da aliança, ter o templo em seu pais, Deus os pouparia; não, mil vezes não. Deus não se deixa levar por falsa ilusão.

O fato de pertencemos a uma igreja que tem uma história, um nome que é copiado por muitos, não nos garante salvação. O que garante a nossa salvação é aceitarmos o sacrifício de Cristo na cruz do calvário.

O Sermão da cruz, do poder do sangue de Jesus, e da volta de Jesus, saiu dos sermonários de muitos supostos pregadores.

Que Deus nos guarde de tal prática, e sejamos autêntico para com Deus e sua igreja, fiel a missão que a nós foi confiada.


III. A apostasia de Israel consistia em:

1. Rebelião contra o Senhor:
A Bíblia diz que Israel afastou se do Senhor ( Jr. 2.11 e 13),
divorciou das verdades, esqueceram do pacto, criaram para si deuses.
Voltar ao primeiro amor, seria a posição correta para Israel, tanto
quanto para a igreja atual.

2. Motivo da apostasia:
Esqueceram do Senhor Deus (Jr 2.8). Estavam na terra da promessa
depois de peregrinarem no Egito em torno de 430 anos. Deus os tirou
com braços forte, mas agora esse Deus estava esquecido.

Deus nos tirou do Egito (mundo) e no colocou em Canaã (O novo
viver), no entanto, estamos esquecendo da aliança e promessas de
Deus para nós.

Quando éramos novos convertidos, íamos aos cultos todos os dias; Escola Dominical era a prioridade do domingo; cultos de ensinamentos eram verdadeiros cultos de avivamentos. Para onde foram eles? Vivemos o tempo de apostasia psicológica. Muitos vão ao culto de domingo a noite para cumprir o seu dever religioso. Escolas Dominicais foram trocadas por papa-fino almoço, e glutonaria exacebada.
“ Meu povo Fez duas Maldades . . .”


CONCLUSÃO:

Como o tempo de Judá, hoje não é diferente. Estamos nos últimos dias que Paulo falou aos II Tessalonicenses 2. 3 e 7
O homem da apostasia que há de manifestar;
É o ministério da iniqüidade que opera, mas há uma promessa: Aquele que o detêm.
Amados sejamos sóbrio, vigiemos para não cairmos na mesma situação de Judá.

Que Deus nos abençoes. Tenham todos uma boa Aula.

Fraternalmente em Cristo Jesus
Pb. Jaime Bergamim

sexta-feira, 2 de abril de 2010

JEREMIAS, O PROFETA DA ESPERANÇA


Jr. 1.1-10


Jeremias é conhecido como profeta das lagrimas. Um homem preocupado em conduzir o povo a Deus.
Jeremias viveu em um período crucial, tanto para Judá quanto para o oriente próximo médio em geral.
O império sírio havia declinado e caído Nínive foi capturado pelos caldeus e pelos medos em 612 a.C . Sete anos mais tarde, por ocasião da batalha de Carquêmis, os egípcios e os remanescentes dos assírios foram derrotados pelos caldeus. Desta forma, a nova potencia mundial passou a ser o neobabilônicos, governado por dinastia caldeia, tendo como figura principal o rei nabucodonozor II (de 605-562 a.C.). Nesse período o pequeno reino de Judá havia sido vassalo da assíria, mas precisou mudar sua lealdade para o Egito e depois para babilônia.
Em 587, Jerusalém caiu na captura do famoso cativeiro Babilônico.
Logo então temos o meço da historia de Jeremias.

I. ORIGEM SACERDOTAL DO PREFETA JEREMIAS

Era da cidade sacerdotal de Anadote, que distava:
A Lição fala de seis quilometro ao nordeste de Jerusalém, porem a enciclopédia de Teologia e Filosofia R.N. Cahmplim, diz três quilômetros.
Seu ministério abrange o período de 62 – 586 a.C.

Muitos pensam que seu pai Hilquias tenha sido o sumo sacerdote que encontrou o rolo do livro da lei no décimo oitavo ano do reinado do Josia ( (II Rs. 22.8)). Mas isso parece impossível segundo alguns eruditos, porque Jeremias não menciona nada sobre isso.

Jeremias profetizou no período mais critico da historia de Israel, e se relacionou com cinco reis de Judá.
a. Josias
b. Jeoacaz
c. Jeoaquim
d. Joaquim
e. Zedequias

Profetizou sessenta anos depois de Isaias. Seus contemporâneos foram Sofonia e Habacuque, no inicio de seu ministério, e Daniel no final.

Embora com tantas dificuldades, Jeremias teve coragem suficiente para enfrentar e profetizar para seu povo.

II. A VOCAÇÃO DE JEREMIAS

1. O jovem Jeremias:
Não temos com certeza a idade de Jeremias quando foi chamado para o ministério. Possivelmente aos 21 anos
Jeremias nasceu em cerca 640 e morreu em 570 a.C.
Seu ministério durou mais de 40 anos

Tudo que a Bíblia diz sobre sua idade, é que era uma criança, mas isso não significa que Jeremias era menos que um adolescente, se partimos da palavra Hb. “na´ar, teremos então os varias significados: menino, adolescente ou Jovem. Seja como for o certo é que ele era bem jovem.

Embora que Jeremias tenha dito ser uma criança, no entanto se dispôs a fazer a obra do Senhor.

Logo nesse inicio, Jeremias tem duas visões:
Jr. 1.11 – A vara de Amendoeira (Velar para cumpri)
Jr. 1.13 – A panela que ferve com face para a banda do norte ( de onde
vinham as invasões).

2. O chamado de Jeremias:

Antes de ser formado no ventre – A presciência de Deus é capaz de nos enxergar alem de nossa existência.

Deus escolheu e conheceu Jeremias – A obra do Senhor só poder fazer aqueles a quem Deus conhece, Ele não entrega a estranho.

Santificou - o Segundo requisito para um bom obreiro é ser santificado. Cuido não entre no altar sem a santificação.

Deu as Nações - Isso significa que Deus se responsabiliza pelo nosso chamado. Jeremias nem sabia falar, mas já era um arauto na presciência de Deus.

Jeremias tenta escapar do chamado – Eu vejo aqui um contraste entre o verdadeiro profeta o obreiro do Senhor, e aqueles que se intitulam, ou se autonomeiam.

Jeremias sentiu o peso da responsabilidade frente à nação que pertencia.

3. A incapacidade de Jeremias:
Não sei falar – Deus só pode operar quando nós nos despimos da nossa sabedoria e nos colocamos nas mãos do Senhor.
Jeremias tinha uma excelente educação religiosa, porque vinha de uma família sacerdotal.

Diante de sua postura, Jeremias com certeza não se gloriaria em saber que ele foi considerado o Apostolo Paulo do Antigo Testamento, enquanto Paulo foi o Jeremias do Novo Testamento.

Deus pegar os incapacitados e os capacitas para sua obra (Atos 1.8 – Mas receberei virtude...)


III. O ESTADO CIVIL DE JEREMIAS


Devido à urgência da mensagem e as calamidades que sobreviria a Israel, não foi permitido casar.

O casamento hoje é um dever para todos aqueles que aspiram ao ministério, pelo menos nas Igrejas Assembléia de Deus.

Mundo que vivemos hoje, não é muito diferente do tempo de Jeremias, mas um jovem obreiro é um risco para si próprio e poder ser um desastre para a obra do Senhor. Por isso a recomendação do casamento pelo apostolo Paulo (I Co 7 e Tito 1. 6-9)

IV. A POSTURA PROFETICA DE JEREMIAS

Todo homem chamado por Deus precisa ter em mente a sua postura cristã.
O grande perigo hoje para os homens de Deus, tem sido a popularidade. Parece que ser obreiro é ser importante ou é ter status.

Jeremias, manteu sua postura em agradar a Deus e não aos poderosos de Judá.
Alguns eruditos afirma que Jeremias foi morto pelo seu próprio povo. Se isso for correto, acreditamos que Jeremias não tinha popularidade nem mesmo em sua nação, pois eram povos rebeldes, como já conhecemos através da Bíblia Sagrada.

CONCLUSÃO:

Em meio aos desafios do presente século, Deus busca homens destemidos para sua obra.
Jovem: “Em meio ao desafio do presente século, sede forte e age”.

sexta-feira, 19 de março de 2010

VISÕES E REVELAÇÕES DO SENHOR




As visões e revelação fazem parte das promessas do Senhor, e estão alinhadas aos dons espirituais. No entanto elas não podem se tornarem doutrinas.

Em pleno século XXI, estamos vivendo o mesmo que Paulo viveu em seus dias em que seus opositores julgavam ser mais espirituais que o Apostolo Paulo.

Hoje, ainda, existe algumas pessoas que dão mais crédito nas visões e revelações de determinadas pessoas, do que mesmo no pastor da Igreja que um homem de Deus.

Paulo sentiu isso na pele, e pelo que nos parece a igreja estava sendo induzida por esse tipo de coisas e pela autogloriação dos opositores.

Desta forma Paulo se vê na obrigação de dar resposta, e essa é baseada no seus sofrimentos, Quando ele Diz “Se convém gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz as minhas fraqueza”.

Seus opositores gloriavam da herança abraâmicas, enquanto Paulo se gloriava do que tinha recebido direto do Senhor. Isso está bem claro em I Co 11.23 “O que eu recebi do Senhor que também vos ensinei. . .”.

A igreja de coríntios era vulnerável a supervalorização do sobrenatural, e isso favorecia os opositores de Paulo que aproveitando dessa situação ridicularizavam o ministério Paulino.

Como dissemos que está sendo comum a valorização desses homens mais que o pastor da igreja. Eles vem com mensagens desprovidas de teologia Bíblica e aplicar suas artimanhas para ganhar a popularidade dos menos esclarecidos.

Deixa me abrir um parentes: Muitas vezes nós não conseguimos oferta suficiente para comprarmos um presente no dia do aniversário do nosso pastor, mas esses revelandeiros cheios de visões levam fortunas com suas mensagens superficial com revelações que nunca cumprem.

Paulo, como homem Deus, com amparo bíblico para contar suas revelações e se gloriar, não o fez, e quando o fez foi para combater o abuso desse dom na igreja.

Quando Paulo fala certo homem ter ido até o terceiro céu, fica claro que tal era ele, mas mesmo assim não ousou de tal gloria, ante se gloriava de seus sofrimentos, principalmente do espinho na carne que ele chama de mensageiro de Satanás que o esbofeteava.

Deus deixou esse espinho na carne de Paulo para que a excelência do gloria fosse para o Senhor e não de Paulo, quando Deus disse: “Aminha graça te basta”.

Embora que a visão de ter ido até o terceiro ceu tenham sido experiência sobrenatural, Paulo não ousou falar das glorias que ali viu, tendo em vista que esse lugar é somente acessivo a Deus.

Talvez seja o motivo porque Paulo disse se no corpo ou fora do corpo que te tal experiência ocorreu.

Sabemos que o terceiro céu é caracterizado como sendo o Paraíso ou habitação dos que morrem em Cristo e estão aguardando a ressurreição. Logo entendemos que Paulo ficou atônito pelas coisas que ali viu, ao ponto de não ter explicação. Gloriar e se elevar em auto-suficiência espiritual, seria o momento oportuno para Paulo, mas não o fez, porque sua gloria só resumia em sofrer por causa da obra.

Vejamos que um dos sofrimentos de Paulo era o espinho na carne, e subtendemos que era por causa da visão que teve do terceiro céu. A controversas teológica ligadas a esse espinho na carne, são as mais diversas entre os teólogos. Mas seja como for, uma coisa é certa que o conforto vinha do Senhor.

Por que Paulo gloriava nas fraquezas? Isso é contraria a natureza humana que busca conforto e paz na ótica em sua otica. Mas, o gloriar de Paulo nas fraquezas não significa que Paulo estava fracassado nas fé, mas que a fé aperfeiçoava exatamente nesse momento.

Fraqueza combina com sofrer por amor a Cristo, e não sinônimo de derrota espiritual.

Caro leitor, precisamos ter sempre em mente que visões e revelação são fortemente afirmadas nas escrituras. Em momento algum estamos tirando essa autoridade que a Bíblia tem com relação ao tema. O que queremos deixar claro são os abuso feito por mercadejantes da palavra.

Todas as experiências sobre naturais são válidas quando em harmonia com a Bíblia e que tenha base na teologia cristã. Visões e revelações que vem edificar a igreja deverá obrigatoriamente se aceita, mas as que tem por objetivo de glorificação e interesse pessoais devem ser rejeitadas.
Pense nisso,é serio.

Pb. Jaime Bergamim
Bacharel em Teologia
Mestrado em Psicologia Pastoral
Pedagogo
Professor da E.B.B
Igreja Evang. Assemb. de Deus
Campina Grande do Sul – Pr. Brasil

domingo, 14 de março de 2010

AS CARACTERISTICA DE UM VERDADEIRO LÍDER

A liderança é um principio que rege todas as áreas da vida social e religiosa. Este princípio Paulo conhecia muito bem. Eu diria Paulo foi um grande líder estrategista

Para defender a liderança de Paulo, vamos conhecer quem era Paulo, seus opositores e a igreja de Coríntio.

Três Personagens:
a. Paulo
b. Os opositores
c. Os Coríntios

a. O apostolo Paulo defendia os interesses de Cristo junto a Igreja. Ele era duro em sua carta, segundo seus opositores ela não correspondia à personalidade de Paulo quando presente.
b. Os opositores defendiam seus interesses pessoais, e militavam em causa própria, esquecendo do objetivo do evangelho de Cristo. Acusavam Paulo de sua da sua dupla postura. Buscavam oportunidade para acusar a pessoa de Paulo.
c. Os Coríntios eram as vitimas das quais precisavam ser alertadas dos falsos mestres. Esses interesseiros colocavam os Coríntios as margens da duvida quanto à pessoa de Paulo.
Isso tem acontecido também em nossos dias com pregadores mal intencionados que prega a palavra de Cristo misturada com sua falsa teologia, muitos têm sidos enganados.

Autocrítica do líder – avaliação de si próprio
Louvar a si mesmo é orgulho dos que gabam daquilo que não fez.
Os Coríntios eram filho na fé de Paulo. Assim, os falsos mestres se gabavam daquilo que não tinham feito.
Suas vaidades é a marca distintiva de quem colhe onde não plantou.
Paulo deixa isso claro em II Co 10.15
1. Gloriar da quilo que não fez e fora da medida, no trabalho alheio
2. Os que crescem na fé serão grandemente engrandecidos


Respeitando limite
O líder deve respeita a liderança do outro; A minha liderança termina, onde começa a do outro, esse é um principio que todo líder cristão precisa saber.
A liderança de outro não serve para avaliar o meu trabalho no Senhor. A minha auto-glorificação será feito pelo Senhor.
O nosso trabalho tem que passar pelo fogo como prata e ouro, e não como palha e feno.

Todo verdadeiro líder cristão deve basear sua liderança no Senhor.-
O princípio da liderança é a edificação da igreja e não o domínio da mesma. Quem domina, manda não tem as características abaixo:
a. Liderar e ter visão de futuro – edificar. Ninguém edificar para o presente, a visão
do líder cristão deve se de futuro.

b. Edificação – edificação é um processo lento que exige perseverança (2 Co 4.1 –
Não desfalecemos).

c. Compromisso com o futuro – Apresentar o resultado da liderança; Uma igreja
pura, uma virgem que não se contaminou.

O líder não faz para si:

a. Defende os interesse dos outros. Nenhum empresa deixa em seu quadro de gerente,
uma pessoa que defende apenas seus interesse pessoais. Com certeza, cortaria do
seu quadro de colaboradores.

b. Paulo – Defendia os interesses de Cristo através de seu chamado (apóstolos dos gentios).

Aqui estão às características marcantes ente Paulo e seus opositores, os falsos mestre.
Paulo não buscou os seus interesses, ou tirou aproveito de seu ministério, antes se sacrificou por amor a igreja. Assim Deus providenciou à Paulo tudo o que ele necessitava. Deus usou os macedônios, povos gentios.

A igreja tem responsabilidade de sustentar seus obreiros, mas isso nem sempre acontece por serem pequenas. No entanto, alguns chamados de pregadores itinerantes têm lesados igreja como profissionais cobrando alta soma para pregar um ou dois dias. Fora com esses.

Exemplo deixando por Paulo

O verdadeiro obreiro do Senhor tem prazer em servir, quando muitas vezes sacrifica seus próprios interesses por causa da obra.
Paulo coloca todos seus sofrimentos em contraste com a dos falsos mestres.
Como disse alguém “Pastor de ovelha cheira ovelha, e o mercenário cheira dinheiro”.
O verdadeiro líder defende o interesse e o futuro do seu rebanho. O mercenário defende seus interesses, o seu futuro sem importar com a salvação do rebanho.

O Líder cristão precisa estar enquadro com a vontade de Deus, só assim poderá mostrar ao mundo o propósito do evangelho de Cristo a todos que hão de serem salvos.
Uso dizer que líder foi chamado para servir, e não para mandar.

CONCLUSÃO
Todo líder precisa ser cheio do Espírito Santo, ser comissionado por Deus para não fracassar em sua liderança. Deve renunciar seus próprios interesses para interesse em prol dos interesses do reino de Deus.
Deve ser perseverante para não vacilar diante das ofertas, para que possa permanecer fiel até a volta de Jesus.
Exemplo de um bom líder será seguindo por outros que vem chegando ao ministério.
Como líder devemos fazer sempre veredas direitas, para que se alguém manquejar não venha desviar, mas antes sejam sarados.

sábado, 6 de março de 2010

TODOS SABEM MANEJAR A ESPADA




Texto
Ct. 3.6-8

INTRODUÇÃO
A Necessidade de Manejar bem a espada, era um compromisso dos soldados antigos, uma vez que na aquela época não existia os armamentos bélicos como temos hoje para a guerra. Então manejar a espada era uma necessidade de vida ou morte.
Em nossos dias nós temos uma peleja, e temos também uma espada para ser usada, mas muitos não sabem usa-la.

I – ANTES DE VALENTE , DESTRO
1 – A destrados por Deus
Moisés – Conhecedor da Ciência do Egito
Moisés conhecia Medicina patológica
Moisés conhecia a Astronomia
Moisés conhecia Psicologia
Ele era adestrado em toda ciência do Egito

a - Foi adestrado no deserto por Deus
- Quarenta anos apascentando ovelhas
- Adestrado no deserto de Midian
- Adestrado no monte Sinai – Quarenta dias de comunhão com Deus, Moisés entra no meio da nuvem. Êx. 24.18

b- Seis Dias de Espera
- Êx 24.14 – Uma nuvem cobriu por seis dias, no sétimo Moisés entra na nuvem
Entrar na nuvem - Significa aprofundar nos mistérios de Deus
- Deus Havia de dar algo especial a Moisés – As tábuas da Lei
- A Lei é regulamentos para os ensinar – Êx 24.12
Moisés não estava sozinho, tinha seus anciões
No monte só sobe o homem de confiança de Moisés – Josué
Ver o que Diz Êx. 24.13 e 14 – Levantou Moisés com Josué, seu servidor ,e subiu o monte de Deus. .... Disse aos anciões: Esperai-nos aqui, até que tornaremos a vós.
- A presença de Josué era necessária, pois ele iria substituir Moisés
Deus tem segredo para conosco, basta que entendamos

Existe muitos valentes, mas não são destros suficiente para a obra de Deus
- A Bíblias diz: Maldito o homem que faz a obra do Senhor relaxadamente.
O pastor precisa de companheiros adestrados
A Igreja precisa de homens que sabem o que dizem


2 – Se não for adestrado atrapalha obra
Deus está operando na igreja, mas ele não está nem ai.
Nr. 11.16 Deus manda Moisés separa setenta anciões.
Deus Tira do Espirito que está sobre Moisés e ponha sobre eles
- Eram capazes, tementes, mas não eram cheio do Espirito Santo
- Eles profetizam
Dois ficaram agarrados na ponta do Altar ( Eldade e Medade)

Até então Josué não tinha nenhum prepara Espiritual


Nr. 11.28 – Josué pedi a Moisés: Meu senhor proibe-lhos
- Eis o fracasso de muitos, não serem adestrados Com Espirito Santo, porque o Espirito Santos usa a palavra de Deus que está em nós. Ela é a ferramenta que o Espirito Santo usa.
- Tens tu ciúmes por mim Josué, Tomara que todo povo de Deus fosse profeta, e que o Senhor lhe desce do Seus Espirito a todos.

II – CRESCENDO ADESTRADO
1 – Duas coisas é necessária para ser um destro
Essa duas coisas devem andar juntas, nenhuma na frente da outra. São dois volumes de pesos iguais – Graça e conhecimento

a- A graça é fundamento básico para o conhecimento
- Ela nos concede poder: Sm 22.40 “Porque me cingiste de força para a peleja...
- A Graça de Deus é companheirismo. Is 41.10 “Não temas pois eu sou contigo, não te assombres, pois eu sou o teu Deus, eu te fortaleço e te ajudarei
- A graça de Deus é consolo: Paulo reclama à Deus por três vezes para Deus tirar o espinho da carne, Deus responde em: 2 Co 12.9 “Mas Ele me disse: A minha graça te basta...”

b- O conhecimento e o exercício da graça
2 Pe 3.18 “Antes, crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e salvador Jesus Cristo.
- Se não empregarmos o termo certo, poderemos não entende.
Conhecermos o Senhor é entrarmos nos seus mistérios
- Abraão entrou nos mistérios de Deus – Deus revelou grandes segredos a ele
- Daniel – Homem miu desejado – também entrou nos mistérios de Deus
- Davi – homem segundo o coração de Deus.

Davi adestrado na funda – Arma que atira uma pedra de 400 grama a velocidade de 140 KM, pode cortar um fio de cabelo a longa distância.
c- Conhecimento Humano
Dois homens construíram a suas casa, um com sabedoria e outro com conhecimento.
1º Construiu sobre a rocha – Mt 7.25
2º Construiu sobre a areia – Mt 7.26
Os dois fizeram a mesma coisa, mas um tinha conhecimento outro tinha sabedoria.
- O conhecimento sem Deus não possui nenhum valor, porque é um conhecimento sem sabedoria.
- Mas o conhecimento com a sabedoria de Deus é algo maravilhoso
Salomão pediu a Deus sabedoria . 2 Cr. 1.7.10 “v.10 Dá-me, pois agora, sabedoria e conhecimento, para que eu possa sair e entrar perante esse povo; porque quem poderia julgar a este tão grande povo?
1º Ele pede Sabedoria
2º Ele pede conhecimento

III – A IGREJA E O HOMEM QUE ASSENTA NO CARRO

1- Primeiro vemos a Liteira de Salomão
Liteira – Hb. Sab - Tratava –se de uma armação com varas longas, puxada por animais ou por homens (ver Is 66.20).
Também é traduzido por carro na Bíblia de linguagem Viva. Vamos tomar a linguagem simples como sendo carro, embora não sendo a melhor interpretação.
a- Salomão era o rei de Israel, sobre um carro – expressão da sua glória
- Salomão estava guardado protegido por sessenta homem destro na guerra
- Salomão representa a pessoa de nosso Senhor Jesus
Se Salomão necessitava de homens destros na espada no seu reino, quanto mais a obra do Senhor, também precisa de homem adestrado na espada do Espirito.

A Igreja deve estar protegida por destros – ela é o carro de glória de Jeová

2 Ef 6. 10 – 17- nos da um lista das armaduras que o soldado de Cristo deve tomar para ser protegido e proteger a igreja que é o carro onde assenta o Rei dos reis e Senhor dos senhores.

Os carros de Deus
a- Carros de Fogo – 2 Rs 2.11 “Um carro e cavalos de fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu num redemoinho.
- Elias estava preparado tinha conhecimento da sua partida
- Elias foi um instrumento que Deus usou para defender seu carro de gloria no reino de Acabe, e também no monte Carmelo.

b- Carros de Salvação – Hc 3.8 “A caso é contra os rios, Senhor que estas irado? Contra os ribeiros foi a tua ira ou contra o mar foi o teu furor, para que andaste montado em seus cavalos, sobre os teus carros de Salvação?


2 – A Igreja precisa de obreiro que mantenha guardado os carro de Jeová
- Deus nos colocou como despenseiro dos mistérios de Deus – I Co 4.2 “Além disso, requer-se no despenseiro, que cada um se ache fiel”

a- Ct 3.8 “Cada um levava a espada à cinta
Isso fala da vigilância que esses homens tinham, nunca deixavam a espada quando estavam junto a liteira de Salomão.
- Nunca devemo abandonar a espada quando estamos militando na obra do mestre.
- Manejar bem a palavra é um dever de cada cristão, para não sermos envergonhado – 2 Tm 2.15 “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneje bem a palavra da verdade.
- Essa palavra é o que o Espirito Santo usa como Espada – Ef 6.17 “tomai também o capacete da salvação e a espada do Espirito, que é a palavra de Deus.

b- Obreiro adestrado pela palavra do Espirito
- Ele tem discernimento espiritual, porque a palavra penetra até a divisão da alma e do espirito, é apta para discernir os pensamentos”:
Hb. 4.12 “Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais penetrante do que espada de dois gumes, e penetra até a divisão da alma, e dos espirito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração”
- quando essa palavra é manejada pelo valente guerreiro que esta junta a liteira pode perceber fácil as intenções malíguinas que ataca o cortejo que esta a caminho do céu, como bem expressou Isais. Is 66.20 “E trarão todos os vossos irmãos , dentre todas as nações, por presente ao Senhor, sobre cavalos , e em carros, e em liteiras, e sobre mulas, e sobre dromedários, ao meu santo monte, a Jerusalém, diz o Senhor, como quando os filho de Israel trazem as suas ofertas em vasos limpos à Casa do Senhor”.

c- A necessidade de ser adestrado
- Por causa dos temores noturno – Ct 3.8b
A noite é a hora em que muitos estão desapercebidos é neste momento que o inimigo ataca pois ele é chamado de príncipe das trevas.
Ef. 6.12 “Porque não temos que lutar contra a carne e sangue, mas sim contra os príncipes das trevas deste século, contra as hoste espirituais da maldade, nos lugares celestiais.


CONCLUSÃO
Todos sabem manejar a espada e são destro na guerra: que seja esse o nosso alvo, e que cada um de nós estejamos cingido de nossa espada, e possamos enfrentar o terror noturno.
Deus está em busca de homens valentes, como os trezentos de Gideão pronto para o combate, mas também precisa de sábios como Gideão para arma a cilada contra o inimigo, mesmo que seja malhando trigo no lagar, sua sabedoria e destreza salvava o trigo dos medianitas. Imagine alguém malhando trigo no lagar, no lugar de pisar a uva, somente um sábio assim faria. Deus viu a sabedoria de Gideão, usando assim para ser o libertador de Israel.
Amém


PB. Jaime Bergamim
Bacherel em Teologia
Mestrado em Psicologia Pastoral
Pedagogo

quinta-feira, 4 de março de 2010

DEFESA DA AUTORIDADE APOSTOLICA DE PAULO






Texto 2 Co. 10.1-8, 17, 18

Nesta lição vamos estudar a Defesa da Autoridade Apostólica de Paulo, que ele passa a defender a partir do capitulo 10.
Nos capítulos anteriores de 2 Coríntios, Paulo é enérgico para com seus opositores, ao ponto de deixar os irmãos de Corinto ressentido com sua mensagem. O Paulo chega adiar sua viagem para não estar com os irmãos em tristeza. No entanto, a partir do capitulo 10, Paulo começar usar de certo equilíbrio emocional para provar a sua Autoridade Apostólica.
A autoridade espiritual refere-se aquilo que somos, refere o nosso caráter e influencia que exercemos sobre pessoas.
O que parece é que a credibilidade apostólica de Paulo estava um pouco denegrida diante dos Coríntios, por isso Paulo então passa a defender essa autoridade de maneira mais branda e suave. Mudou a forma de falar com a igreja.

II. PAULO RESPONDE AOS SEUS ADVERSÁRIOS

1. Aspereza e delicadeza de Paulo

Nos capítulos dois e sete de 2 Co. Vemos Paulo exercendo uma autoridade a nosso ver bastante enérgica:

Sentimento humano de Paulo
2 Co. 2.4 “ Porque,em muitas tribulações e angustia do coração vos escrevi, com muitas lagrimas...”
2 Co. 7.8 “ Porquanto, ainda que vos tenha contristado com a minha carta, não me arrependo, embora já me tivesse arrependido por ver que aquela carta vos contristou ,ainda que por pouco tempo”
Paulo como qualquer ser humano tinha seus momentos de emoções alteradas.
Todos nós reagimos em determinadas situações, mas o Espírito Santo de Deus nos controla

2. Apelo de Paulo a mansidão e ternura

Na vossa presença sou humilde, porem por carta sou ousado ou corajoso.
O que aprendemos é que Paulo nesse momento ele queria explicar o porquê sua carta era dura. Isso era para evitar polemica entre os irmãos e tão pouco amedrontar os seus filhos na fé nessa igreja funda em sua viagem missionária. No entanto em sua carta ele repreendia os faltosos.


3. Conduta que não era segundo a carne

Quando falamos de carne precisamos ter certo cuidado quando assim fazemos, pois pode nos dar dupla idéia.

Viver na carne tanto pode estar associado ao sistema mundano no sentido espiritual quando no sistema mundo cósmico.

Em primeiro lugar - Paulo fala andando na carne – Isto é, vivendo como pessoa, seres humanos.

Segundo lugar - não agimos segunda a carne – Isto é segundo natureza corrompida. Essa carne tem sentido de mundo espiritual que é a natureza humana corrompida pelo pecado.

Embora habitando num corpo físico (carne) não andemos segundo seus desejos, mas somos guiados pelo Espírito de Deus.

III. INIMIGOS E ARMAS ESPIRITUAIS DO APOSTOLADO

1. Os inimigos interiores

O maior inimigo do homem mora dentro dele.
Nós não só temos os inimigos que estão dentro de nossas igrejas como também temos de lutar contra a nossa própria natureza pecaminosa.
Contra esses dois inimigos só podemos lutar com armas espirituais confirme encontramos em Efésio 6.10-18

As vezes somos coagido pelo inimigo a duvidar de nossa fé cristã. Essa arma diabólica nos perturba todo instante, pois o sistema do mundo físico nos faz vacilar em determinados momento.
Assim, precisamos revestir de toda armadura de Deus.

2. Armas espirituais

A lei do Espírito é contraria a lei humana. Para lutarmos a nossa luta material, logo pensamos nas nossas capacidades de decisão, a nossa intelectualidade. Porem na lei do Espírito lutamos sempre com armas espirituais que são poderosas em Deus.

Paulo na defesa da Autoridade de seu Apostolado, quando ele fala de armas espirituais, ele está defendo que ele não se intitulou apostolo, mas que recebeu diretamente de Deus.

As acusações feitas a Paulo deixam claro que no seu interior havia um ressentimento que ele só podia defender com as armas espirituais.
Como homem, Paulo sofria as mesmas emoções que nós. Porem, Paulo descobriu que as armas espirituais eram maiores que suas emoções. Por isso ele disse que nossas armas não são carnais.

Não é de admirar que muitas vezes queremos resolver certa situações com nossos recursos próprio, quando esquecemos que deixar Deus agir, o resultado será bem maior.

Ef. 6.16 “Tomando sobre tudo o escudo da fé .....”

III. PERSPECTIVA DE PAULO SOBRE A AUTORIDADE

1. Significado de autoridade

Gr. Exousia – poder liberdade, direito de escolher, agir, possuir ou controlar.
Autoridade é capacidade de influenciar pessoas. O que queremos dizer com isso? Quando Paulo defende a sua Autoridade Apostólica, ele esta defendendo exatamente essa capacidade de influencia, isso no sentido espiritual
- Paulo queria que todos soubessem que sua autoridade como apostolo dos gentios, não foi por autodenominação, mas recebida do Senhor.
Paulo como fundador daquela igreja, ele queria que os irmãos dessem credito em sua palavra, uma vez que ela não era discurso meramente persuasivo e nem demonstração de sabedoria humana, mas demonstração de poder.

A grande diferença entre o tempo de Paulo e hoje, está exatamente na credibilidade Apostólica. Se não há credibilidade, não pode haver autoridade.
Autoridade é conquistada, e não imposta. As pessoas procurar adquirir autoridade mediante imposição de regras, normas e até ameaças frágeis, pensando que com isso estão adquirindo autoridade, quando na verdade estão cada vez mais desacreditados.
Entre o que falamos e o que praticamos, está o segredo da autoridade. Por isso Paulo apela para o caráter de sua pregação que não eram palavras falsificadas, mas sim, confirmadas pelo Espírito Santo.
Quando Paulo confrontou sua Autoridade Apostólica dando ênfase a palavra de Deus, seus opositores não tiveram argumentos, pois suas defesas não constituíam em meras intelectualidades humanas conforme já estudado anteriormente sobre o gnosticismo.

Paulo, embora sendo um intelectual, não usou tal conhecimento para enaltecer a sua Autoridade, antes apelou para a sabedoria divina.
Deus nos ajude a sermos assim, tal como Paulo.

CONCLUSÃO

O segredo da vitória de qualquer obreiro está na autoridade espiritual que ele exerce sobre o povo do qual é ele é líder ou pastor. Como é difícil quando tal homem perde sua autoridade ministerial, e como demora para recuperar.
Paulo tinha isso em mente, e que seja esse também o nosso alvo; A Autoridade do Nosso Ministério

sábado, 27 de fevereiro de 2010

O PRINCIPIO BÍBLICO DA GENEROSIDADE

Texto
2 Co. 8. 1-5; 9.6,7,10,11
INTRODUÇÃO

O principio bíblico na teoria está sendo ensinado com muita ênfase, mas na prática está sendo negligenciado quase que em sua totalidade.
Eu particularmente, não vejo evangelização desassociada da generosidade em todos os aspectos.
Não podemos pregar o evangelho que contem o amor de Cristo que salva e cura, e na prática negligenciamos a generosidade.
A maioria das pessoas busca a Cristo esperando também serem ajudadas em suas necessidades financeiras, e quase sempre não encontram e se decepciona com o evangelho, porque nós não abrimos mãos para ajudar tais pessoas.
Desafio que alguma igreja tenha assistência social equipada para prover tais necessidades daqueles que aceitam a Cristo e possam serem amparados no meio Cristão.

I. EXEMPLO DE AÇÕES GENEROSAS

1. Exemplo dos macedônios
Amor que constrange.
O que me chamou atenção do exemplo dos macedônios, é que eles eram uma igreja gentílica, pobre que tinham dificuldades, mas por causa do amor de Cristo, foram capazes de tirar de seus sustentos algo para a igreja de Jerusalém.

Paulo exorta os coríntios para mesma prática.
Os coríntios tinham esquecidos dessa pratica, embora sendo uma igreja que tinham bens.
___ Hoje precisamos lembrar nossos irmãos acerca dessa necessidade

2. Exemplo de Jesus

O principio da generosidade está em Cristo, pois ele se dispôs a sacrificar a si próprio em nosso beneficio.
___ Generosidade é isso, sacrificar em favor do outro.
___ Ser generoso não é tirar do que sobra. Isso não generosidade.
___ Ser generoso é tirar do que é nosso para ajudar outro.

Jesus sendo rico se fez pobre, desvestiu de sua gloria, se tornou homem para garantir a nossa liberdade – Salvação.

3. Exemplo da Igreja de Corinto

Ao exortar os coríntios, Paulo leva em conta que a intenções que não leva a ação, não possui valor.
Ele lembra que no ano anterior os coríntios tinham exercido a prática da generosidade, mas que naquele momento estava esquecido.

__ Tito tinha dado inicio ao levantamento das coletas, mas Paulo não quer que isso fica apenas no primeiro esforço.

___ Nossas igreja também, não são mais generosas porque não empenhamos, publicamos, pedimos e lembramos os irmãos para prática da generosidade.

___ Assistência Social da Igreja - Uma excelente forma de manter o principio generoso e comunicar a igreja da necessidade que temos de manter a nossa assistência social sempre abastecida. Mas o que vemos, quase sempre é o contrario, e quando precisamos assistir algum irmão em suas necessidades, não podemos contar com a assistência da igreja e quase sempre temos que recorrermos a outras fontes (própria), mas isso nem sempre completa o que o necessitado precisa.

___ Muitos até fazem promessa de ajudar, mas acabam por esquecer e não levam a sério a coisa.

___ Meu queridos, se coloquem no lugar de um necessitado, sinta a dor e terá outra idéia a respeito da generosidade.


II. EXORTAÇÃO AO ESPIRITO GENEROSO PARA CONTRIBUIR
1. A Igreja de Corinto foi encorajada

A Igreja de corinto, embora sendo uma igreja rica na fé, mas naquele momento pelo que parece estava negligenciando o exercício da generosidade para com os irmãos de Jerusalém, onde estava a igreja mãe

___ De doador a receptor, A igreja de Jerusalém, aparentemente pensando, deveria ser a igreja que distribuiria, e não precisando receber.

___ Nunca devemos esquecer que hoje estamos ajudando e amanhã podemos ser ajudado, de doador a receptor.

2. Responsabilidade social
Como disse na introdução, que o evangelho desassociado da generosidade não é o evangelho recomendado por Cristo.

__ É difícil para aceitar, mas é uma verdade que precisa ser dita; infelizmente algumas igrejas esqueceram dessas responsabilidades.

A essência da mensagem do evangelho está também em atender os necessitados.

Será que temos pregado essa mensagem? Ou estamos dizendo; pula essa parte? Pense nisso, sério.

__ A Bíblia fala de homens amantes de si próprios:

Timóteo 3 .1 Sabe, porém, isto, que nos últimos dias sobrevirão tempos penosos;

2. pois os homens serão amantes de si mesmos, gananciosos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a seus pais, ingratos, ímpio

5. tendo aparência de piedade, mas negando-lhe o poder. Afasta-te também desse.

3. Reciprocidade mutua.

Para com Deus, não existem classe de pessoas, todas são iguais perante Deus.

No entanto, a Bíblia fala dos domésticos na fé

Rm 2.10 - glória, porém, e honra e paz a todo aquele que pratica o bem, primeiramente ao judeu, e também ao grego;

11. pois para com Deus não há acepção de pessoa



III. PRINCIPIO DA GENEROSIDADE
1. Liberdade na contribuição

O maior principio da contribuição, é a liberdade para contribuir.

A contribuição deve ser um ato de amor, e não uma obrigação
Dizimar é um principio Bíblico que todos devem fazer por amor. Nenhum valor terá a nossa contribuição senão estiver embasada no amor cristão.

Acima de qualquer outra coisa, contribuir generosamente é um ato de adoração.
Precisamos entendem que tudo que temos, apena administramos, pois tudo pertence a Deus. Assim, quando praticamos a generosidades estamos repartidos o que não é nosso, mas somos mordomos.
O dono de tudo pede para repartimos e sermos generosos.

CONCLUSÃO

Esperamos que após a ministração dessa lição, muitos serão despertados para o exercício da generosidade. Assim, teremos mantimentos em abundancia na casa do Senhor.
Tenho percebido em nossas igrejas a campanha do quilo. Precisamos trocar esse nome para campanha da sexta básica.
Precisamos exercitar a fé do nosso povo, lembrá-los do nosso compromisso cristão, da nossa responsabilidade e do evangelho que pregamos.
Que Deus nos abençoe
Amem.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

EXORTAÇÃA SANTIFICAÇÃO

2 Co. 6.14-18 ; 7.1,8-10


Embora que Paula tenha em parte contristado os irmãos de corinto, na sua primeira carta. No entanto Paulo regozija por haver arrependimento.
Isso é um fator importante na vida da Igreja quando reconhece o erro e dá lugar o arrependimento.

I. PAULO APELA À RECONCILIAÇÃO E COMUNHÃO


1. Paulo apela ao sentimento fraterno dos coríntios

A idéia que Paulo passa para os coríntios é fraternidade de pai e filho.
A defesa que Paulo fazia de seu apostolado está chegando ao fim. Ele derramou a alma, ao fazer exposição do ministério que receberá do Senhor. Será que os coríntios, agora, realmente havia aberto seus corações para a mensagem de Paulo?

Boca que permanece aberta – Paulo não tinha nada em sua mente que repousaria remorso, mas usa de completo fervor ao se dirigir aos coríntios.
Paulo sabia que sua mensagem era de Deus, e em nenhum momento falou de si, ou o que era seu.
Seu coração permanecia aberto para abraçar cada irmão, até mesmo os que causarão maior tristeza a.
Muitos daqueles que ofenderam a Paulo por ser franco, ainda tinham dificuldade de abraçar a idéia do apostolo. O que faltava para eles era o amor cristão.


2. Paulo dá exemplo de reconciliação

Paulo já tinha aliviado sua mente das acusações feita a ele, e está disposto a reconciliar com os irmãos sem limite para amar.
Amar incondicionalmente deve ser o dever de cada cristão.
Talvez para muitos, Paulo tinha saído pelas tangentes e só voltando ao assunto quando as coisas tinha se acalmado, como suponha alguns teólogos. Mas na verdade, Paulo apenas não quis ir ter com os irmãos com dor devido as afrontas que recebeu.

3. Paulo demonstra seu afeto e espera ser correspondido

Tudo que Paulo queria era conquistar de volta o coração dos coríntios, mas pelo que percebemos, ainda permanecia endurecido.
O apelo de Paulo era para que eles também dilatassem os seus corações.

II. PAULO EXORTA OS CORÍNTIOS A UMA VIDA SANTIFICADA

1. Uma abrupta interrupção de exortação

Paulo sai imediatamente de um cenário para o outro e passa a falar do julgo desigual. Seria apenas o casamento o julgo desigual?

2. Perigo que ameaça a fé: o julgo desigual.


Já no tempo de Paulo havia o julgo desigual na congregação de corinto. Agora, nos dias atuais o que podemos caracterizar como julgo desigual? Estamos andando de braços dados com mundo, e como a política. Estamos aceitando hoje em nossas igrejas o que Paulo não aceitaria no seu tempo. Assim, em vez de igrejas fervorosas e cheias do Espírito Santo, vemos igreja raquítica e envenenadas pelo julgo desigual.
A apostasia está tomando conta das igrejas do século XXI; é tempo de despertamos se quisermos uma igreja abençoada.

3. Correto relacionamento com os não crentes:

Precisamos entender que no mundo onde vivemos, não podemos nos isolar, mas precisamos separa uma coisa da outra. A Palavra sociedade conota relações com pessoas. A sociedade atual tem todo tipo de gente a qual podemos imaginar. No entanto, Paulo apela para a diferença entre as trevas e luz: Trevas denota incompatibilidade entre o que é moral e imoral, entre o certo e o errado. Viver nessa sociedade, relacionar com ela é um direito de todos, mas viver o que ela vive é uma escolha pessoa que cada cristão deve saber fazer. Nós somos templo ou santuário do Espírito santo, logo não podemos servir a dois senhores; devemos amar um e odiar o outro, caso contrario jamais vamos influenciá-los para conhecer a Cristo.

III. PAULO REGOSIJA-SE COM A NOTÍCIA DA IGREJA DE CORINTO.

O que alegrou coração de Paulo foram as boas noticias trazidas por Tito, como ele foi bem recebido em Coríntios.
Paulo entendeu então, que os coríntios havia entendido o propósito da e sua carta.
Levemos em conta um ponto interessante: se Paulo foi tão mal recebido pelos coríntios em fase a sua carta, como poderiam ter recebido tão bem Tito que era o representante legal de Paulo? A noticia que Tito trouxe até Paulo foi suficiente para entender que as desavenças em corinto tinha chagado ao fim.
Paulo agora tem certeza que os feitos da aparente desastrosa carta tinha chegado a um final feliz, pois Paulo não teve em mente em momento algum ferir os seus amigos, e nem se alegrava em causar tristeza a igreja que era fruto de seu trabalho missionário.
Paulo amava tanto aquela igreja que chegou a expressa “Antes tivesse me arrependido”. Mas, volta a frisar; folgo por que foste contristado para arrependimento.

CONCLUSÃO

Se tomarmos o exemplo de Paulo no que tange sua ansiedade em reconciliar com os coríntios e manter a comunhão, um dos requisitos para a santificação vamos entender que muitos de nós estamos longe de ser discípulo de Paulo.
Quantas pregações que são mais desabafo do pregador do que mensagens confortadoras. Ferimos a igreja e achamos que estamos certo.
Paulo, embora que reconhecendo o peso de sua carta, se preocupou com a reconciliação.
Pensemos nisso, é serio.